Jewel SAMAD / AFP
Jewel SAMAD / AFP

Índia impõe confinamento a 1,3 bilhão de habitantes

Segundo país mais populoso do mundo adotará três semanas de restrição de circulação de pessoas

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2020 | 12h09

NOVA DÉLHI - O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, decidiu pelo confinamento total do país de 1,3 bilhão de habitantes durante três semanas para conter a pandemia do coronavírus . A decisão foi anunciada nesta terça-feira, 24. 

"A partir de meia noite, todo o país está confinado. Para salvar a Índia, para salvar cada cidadão, a vocês e suas famílias", afirmou Modi em um discurso transmitido pela televisão. E completou: "Se estes 21 dias não forem respeitados, o país e suas famílias voltarão 21 anos atrás".

O confinamento na Índia elevará a mais de 2,6 bilhões o número de pessoas instadas a se confinar em casa para combater a propagação da Covid-19, segundo uma contagem realizada nesta terça-feira pela AFP.

O primeiro-ministro pediu também que os indianos respeitem o distanciamento social e que fiquem em casa. "Não há nenhum outro meio de escapar do coronavírus", declarou. "Lembrem que até mesmo uma única pessoa fora de casa pode trazer uma grave doença para sua casa".

A decisão de Modi ocorre em um momento de preocupação com a propagação do coronavírus em comunidades empobrecidas e com a falta de capacidade dos sistemas públicos de saúde locais para tratar de um grande número de infectados. 

De acordo com uma contagem da agência de notícias Reuters, mais de 377 mil pessoas foram infectadas pelo vírus no mundo, com 16.520 mortes. Até o momento, na Índia, as autoridades relataram 469 casos ativos e 10 mortes. Especialistas apontam que o número oficial provavelmente está subestimado por causa da pequena falta de testes aplicados para diagnosticar o avanço da doença no país.  / Reuters, AP e AFP 

Tudo o que sabemos sobre:
Narendra ModiÍndia [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.