Índia impõe toque de recolher após violência na Caxemira

A Índia mobilizou neste domingo milhares de integrantes da sua força de segurança e baixou um toque de recolher por tempo indeterminado, na capital de verão da Caxemira neste domingo, um dia após os muçulmanos atearem fogo em prédios públicos em protesto contra o governo de Nova Déli, afirmaram autoridades.

REUTERS

12 de setembro de 2010 | 14h22

O governo tem tentado responder às maiores manifestações separatistas em dois anos na Caxemira, desencadeadas pelo assassinato de um estudante de 17 anos pela polícia em junho. Setenta pessoas morreram, sendo a maioria por tiros disparados pela polícia nos protestos.

Soldados equipados com rifles patrulharam as ruas desertas e bloqueadas com arame farpado em Srinagar, o centro da insurgência, onde dezenas de milhares de pessoas foram mortas em duas décadas de violência.

O toque de recolher foi ampliado para outras grandes cidades localizadas no vale da Caxemira.

Omar Abdullah, ministro-chefe do estado de Jammu e Caxemira, disse ao canal de notícias NDTV que a nova onda de violência na Caxemira, de maioria muçulmana, representava um retrocesso para uma antecipada nova iniciativa de paz do governo.

"Estes protestos criam problemas para todo mundo", disse. "Como você pode avançar se a violência continuar?"

A polícia acusou o principal líder da região separatista, Mirwaiz Umar Farooq, de instigar a violência e incêndios criminosos. Ele nega as acusações.

Após as celebrações para marcar o final do Ramadã, dezenas de milhares de pessoas marcharam por Srinagar no sábado, colocando fogo em prédios do governo e da polícia. Farrop era o líder da manifestação principal.

(Por Sheikh Mushtaq)

Tudo o que sabemos sobre:
ASIAINDIACAXEMIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.