Índia não retomará negociações com Paquistão até que país 'aja', diz premiê

Indianos querem que Paquistão levem responsáveis por ataques a Mumbai de 2008 à Justiça

13 de abril de 2010 | 23h14

WASHINGTON- O primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, excluiu nesta terça-feira, 13, qualquer possibilidade de ter conversações com o Paquistão até o que país "dê passos críveis" para levar à Justiça os responsáveis pelo ataque de 2008 a Mumbai.

 

Singh afirmou que trocou cumprimentos duas vezes com seu colega paquistanês, Yusuf Raza Gilani, às margens da Conferência de Segurança Nuclear em Washington, mas eles não conversaram durante o encontro.

 

"Eu complementei o primeiro-ministro durante a passagem da emenda constitucional a qual eu penso que faz o primeiro-ministro uma personalidade mais forte no sistema político do Paquistão. Mas além disso, não houve mais discussões", disse Singh a repórteres.

 

A Índia tem questionado insistentemente o Paquistão sobre as atividades do grupo Lashkar-e-Taiba, militância paquistanesa responsável pelos ataques em Mumbai que mataram 166 pessoas.

 

"Nós gostaríamos ao menos que o Paquistão levasse os mentores desses horríveis crimes à Justiça. Isso é o mínimo que esperamos do Paquistão", completou. "Se o Paquistão fizer isso, ficaremos muito felizes a começar a conversar de novo sobre todas essas questões".

 

Falando a jornalistas na segunda-feira, Gilani disse refutou as afirmações indianas, e declarou que havia banido os membros do Lashkar-e-Taiba e congelado suas contas-correntes em bancos.

 

Gilani argumentou que a Índia precisa reunir mais provas, ao que Singh respondeu com a afirmação de que altos membros da milícia estavam "perambulando livremente" no Paquistão e a inteligência norte-americana apontou laços do Lashkar-e-Taiba com a Al-Qaeda.

 

Índia e Paquistão já travaram três guerras desde que proclamaram a independência da Inglaterra em 1947, e iniciaram uma tentativa de processo de paz em 2004. A Índia suspendeu as conversações em 2008, depois dos ataques de Mumbai, e diplomatas dos dois países tiveram seu primeiro diálogo oficial no mês passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.