Índia pede detalhes de menstruação de funcionárias públicas

Funcionárias públicas na Índia ficaram chocadas com as novas regras de avaliação no emprego que pedem que elas revelem detalhes de seus ciclos menstruais.Segundo novos procedimentos nacionais, as funcionárias também terão que comunicar qual foi a última vez que pediram licença maternidade.As funcionárias públicas afirmam que estas questões são uma invasão de privacidade brutal. Avaliações anuais e exames de saúde são obrigatórios no serviço público da Índia. O governo não comentou as novas regras, mas uma de suas mais importantes autoridades teria dito à imprensa local que as novas questões foram baseadas em conselhos de autoridades de saúde.´Sem palavras´As questões que geraram polêmica estão na página 58 dos novos formulários para avaliação deste ano, publicados pelo Ministério de Funcionários, Reclamações Públicas e Previdência.Funcionárias devem descrever no formulário "o histórico detalhado de seu ciclo menstrual e o histórico da última menstruação, incluindo a data do último parto (licença maternidade)".Mulheres que trabalham no setor público indiano disseram à BBC que o governo não precisa deste tipo de informação pessoal."Estou completamente chocada", disse Sharwari Gokhale, secretária do Meio Ambiente no Estado de Maharashtra, no oeste da Índia."Estou absolutamente sem palavras para descrever como me sinto e não tenho intenção de dizer a eles qualquer coisa da minha vida pessoal", disse.Gokhale afirmou que também trabalhou no departamento de funcionários no ministério que fez os novos formulários e, embora a saúde dos servidores sempre seja uma preocupação, pedir este tipo de informação nunca passou pela cabeça de nenhum dos funcionários. ´Fenômeno natural´ Seema Vyas, uma das secretárias gerais para administração do Estado de Maharashtra, admitiu que ninguém pediu por este tipo de pergunta nas avaliações."Ciclos menstruais são um fenômeno natural, não são aberrações. As pessoas não têm objeções quanto a perguntas relativas à sua boa forma, elas são importantes, pois podem afetar o trabalho delas", afirmou."Mas não há necessidade destes detalhes, pois isso não influi no nosso trabalho. Quando pedimos a licença maternidade, colocamos (as informações) no formulário apropriado, e o governo já tem estes registros. Então, qual a razão de perguntar de novo?", questiona.Ela acrescentou que pretende, junto com colegas, escrever uma carta às autoridades para protestar contra a questão. Apesar de muitas tentativas, a BBC não conseguiu falar com o chefe do departamento de funcionários, Satyanand Mishra. O jornal Hindustan Times informou que Mishra teria afirmado que as questões foram baseadas em aconselhamento do Ministério da Saúde."Procuramos o ministério para ajudar a desenvolver um formato para o histórico de saúde. Presumi que isso iria ajudar a avaliar a boa forma do funcionário", teria dito Mishra ao jornal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.