Índia pede que EUA fechem clube em embaixada; disputa expõe fragilidade nas relações

A Índia ordenou nesta quarta-feira que os Estados Unidos fechem um clube de sua embaixada frequentado por norte-americanos que vivem em Nova Délhi, na escalada de uma disputa diplomática que trouxe a público as fissuras nas relações entre os dois países.

Reuters

08 de janeiro de 2014 | 20h07

Irritado com a prisão, a colocação de algemas e a revista sem roupas de sua vice-cônsul em Nova York no mês passado, o governo da Índia inicialmente reagiu cortando privilégios oferecidos a diplomatas dos EUA.

A diplomata indiana, Devyani Khobragade, foi acusada por promotores de pagar um valor abaixo da lei à sua babá e de mentir em um pedido de visto.

Passado quase um mês, a disputa começa a afetar o extenso relacionamento entre as duas maiores democracias do mundo. Uma visita de uma alta autoridade dos EUA foi adiada e uma outra que está programada para a semana que vem, do secretário de Energia, Ernest Moniz, parece improvável.

Ambos os lados dizem que as relações bilaterais são importantes e não vão permitir sua deterioração. Washington precisa de Nova Délhi ao seu lado num momento em que os EUA retiram suas tropas do Afeganistão e se envolvem mais com a China.

Milhões de indianos vivem nos EUA e o comércio bilateral é estimado em 100 bilhões de dólares por ano.

(Reportagem de Frank Jack Daniel e David Brunnstrom)

Tudo o que sabemos sobre:
INDIAEUADIPLOMACIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.