Índia pretende responder a ataque a seu Parlamento

A Índia pôs em alerta hoje suas Forças Armadas ao longo da fronteira com o Paquistão e estudava uma retaliação ao ataque terrorista contra seu Parlamento, que Nova Délhi acusou ter sido obra da agência de inteligência paquistanesa e grupos militantes islâmicos baseados no país vizinho. O Paquistão, enquanto isso, pediu à Índia para pôr fim ao "jogo de acusação".Os confrontos verbais entre os dois vizinhos detentores de armas nucleares subiu de tom depois de um ousado ataque na última quinta-feira contra o Parlamento da Índia, no qual cinco atacantes e oito outras pessoas morreram. A Índia afirma que os cinco terroristas mortos no ataque eram paquistaneses e que a operação foi planejada pela agência de inteligência de Islamabad.A Índia advertiu que considera todas as opções para uma retaliação, inclusive o bombardeio de campos de treinamento de terroristas que supostamente estão espalhados pelo Paquistão. Islamabad afirmou que responderá à altura.O ministro do Exterior indiano, Jaswant Singh, falando a repórteres após uma reunião do gabinete sobre segurança, disse que o primeiro-ministro Atal Bihari Vajpayee estava sendo informado da situação. "Estamos em alerta", afirmou Singh, quando perguntado sobre um aparente movimento de tropas paquistanesas na fronteira.Numa entrevista à televisão na noite de domingo, o ministro do Interior Lal Krishna Advani sugeriu que a Índia tinha o direito de enviar tropas através da fronteira para caçar guerrilheiros islâmicos.Os militantes estão engajados num movimento separatista desde 1989 no Estado de Jammu-Caxemira, numa campanha que já deixou dezenas de milhares de mortos. Eles buscam a independência da Caxemira ou sua união com o Paquistão muçulmano.A Índia acusa o Paquistão de armar e treinar as guerrilhas, enquanto Islamabad garante só apoiar os rebeldes ideologicamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.