AP
AP

Índia reforça segurança na véspera de eleições nacionais

Primeira das cinco etapas do pleito, que levará um mês, começa nesta 5ª; 714 milhões devem votam

Agência Estado e Associated Press,

15 de abril de 2009 | 12h33

Milhares de tropas foram enviadas para diferentes partes da Índia, nesta quarta-feira, 15, um dia antes do início das eleições nacionais. Os eleitores terão que apontar quem liderará o país em meio à crise econômica que ameaça prejudicar duas décadas de crescimento no país. A votação desta quinta-feira é a primeira das cinco fases das eleições, que levarão um mês. Aproximadamente 714 milhões de pessoas podem votar.

 

Pesquisas indicam que nem o governista Partido do Congresso nem a principal sigla oposicionista, o nacionalista hindu Partido Bharatiya Janata, terão cadeiras suficientes na Câmara dos Deputados de 543 postos para governar. Quem conseguir a maioria dos votos precisará formar uma coalizão com dezenas de partidos menores, muitos focados em temas regionais.

 

Milhares de policiais e paramilitares foram enviados nesta quarta-feira para o Estado de Andhra Pradesh, no sul indiano, onde ocorrem eleições no nível nacional e também para a escolha de representantes estaduais. "Nós tomaremos todas as medidas necessárias para garantir eleições pacíficas, livres e justas. Agora, vocês saiam e votem", disse o diretor-geral da polícia A.K. Mohanty, na capital estadual, Hyderabad.

 

Tropas seguiram para o Estado de Uttar Pradesh, no norte, que tem mais assentos no Parlamento nacional. Em Bihar, Estado do leste indiano, rebeldes maoistas atacaram um campo paramilitar estabelecido para a eleição, segundo a polícia local, um soldado ficou ferido.

 

Com mais de 1,2 bilhão de habitantes, a Índia geralmente realiza eleições em etapas, por razões logísticas e de segurança. Os resultados dessas eleições, com mais de 1,3 milhão de urnas eletrônicas e 828.804 locais de votação, estão previstos para 16 de maio. Entre os partidos, há expectativa. O Partido do Congresso, após cinco anos no poder, vê seu principal trunfo perder força, com a desaceleração na economia pela crise global, após anos de crescimento na casa dos 8%.

 

Já o Partido Bharatiya Janata sofre com a fragmentação de suas lideranças e com as críticas por sua política antiterror, considerada dura demais. O partido ainda é acusado de fomentar tensão entre a maioria hindu e a importante minoria muçulmana do país. Os dois grandes partidos veem seu apoio diminuir, diante de siglas regionais focadas em assuntos locais ou em castas particulares, no complexo sistema social hindu existente na Índia.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.