Índia responsabiliza grupo islâmico por explosões em Bombaim

A Índia responsabilizou nesta terça-feira um grupo militante islâmico da Caxemira pelos dois atentados a bomba que mataram 46 pessoas e deixaram 150 feridas no pior ataque terrorista em uma década no centro financeiro do país.O vice-primeiro-ministro indiano, Lal Krishna Advani, falando aos jornalistas, atribuiu hoje o atentado ao grupo separatista islâmico Lashkar-e-Tayyaba, que a Índia diz ser apoiado pelo vizinho Paquistão, país que reivindica o controle sobre a Caxemira indiana.As bombas colocadas em dois táxis explodiram com diferença de minutos na segunda-feira em um mercado jóias e têxteis e junto ao histórico Portal da Índia na cidade de Bombaim. O envolvimento do Lashkar-e-Tayyaba nos atentados ?faz crescer as dúvidas a respeito de nosso vizinho?, disse Advani, depois de admitir que ?as pessoas responsáveis (pelos ataques de ) antes parecem ser as responsáveis agora?. Advani se referia ao fato de que pelo menos outras seis explosões ocorridas em Bombaim nos últimos seis meses foram atribuídas ao grupo islâmico da Caxemira e a seu aliado local, o Movimento Estudantil Islâmico da Índia (SIMI, na sigla em inglês). Desde ontem, a polícia indiana também concentra suas investigações nos militantes islâmicos e já interrogou várias pessoas, entre elas o motorista do táxi que explodiu diante do Portal da Índia.A líder oposicionista Sonia Gandhi também sugeriu o envolvimento do Paquistão na tragédia ao afirmar que ?há terroristas vindo de fora?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.