Indiano é acusado de obra ilegal em queda de edifício

Joalheiro teria realizado mudanças estruturais no prédio; 28 pessoas morreram e 17 estão feridas

Efe,

20 Julho 2007 | 08h04

Com um balanço final de 28 mortos, as equipes de resgate deram nesta sexta-feira, 20, por encerrada a busca no edifício que desabou nesta quarta-feira em Mumbai, no oeste da Índia, num acidente causado por obras ilegais realizadas por um empresário que já foi denunciado.  "Abrimos um processo contra Kailash Jain, o proprietário da joalheria Vardhaman, que funcionava no térreo do edifício. Ele realizou mudanças estruturais ilegais que podem ter causado o colapso", disse o subcomissário de Polícia Suresh Khopde, em declarações à agência indiana PTI. "Jain perdeu três parentes na tragédia. Por isso, só será detido após os rituais", acrescentou Khopde.A queda aconteceu na quarta-feira à noite. As autoridades temiam que houvesse 60 pessoas entre os escombros. As equipes de resgate disseram nesta sexta que a maioria dos escombros do edifício Laxmi Chhaya, de 20 anos, já foram retirados. As operações de resgate estão terminadas. O balanço final é de 28 mortos, entre eles várias mulheres e crianças, e 17 feridos.

Mais conteúdo sobre:
EdifícioMumbai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.