Indianos denunciam trabalho forçado no Iraque

Quatro indianos dizem que foram forçados por tropas dos EUA no Iraque a executar trabalhos braçais numa base do Exército, e impedidos de abandonar o local. A Embaixada dos EUA na Índia informou estar investigando a denúncia. Aliyarkunj Faisal, Abdul Aziz Shahjehan, Haniffa Mansool e Hamed Abdul Hafiz disseram à Associated Press que assinaram um contrato com uma agência de empregos para trabalhar numa fornecedora de comida no Kuwait. Eles pagaram US$ 1.750 cada para um agente de viagem. Quando chegaram ao aeroporto do Kuwait, um soldado dos EUA ordenou que entrassem num ônibus que os levou a uma base nas proximidades da cidade iraquiana de Mossul, relataram. "Havia uns 20 indianos no ônibus. Quando descobrimos que estávamos dentro do Iraque, protestamos", afirmou Faisal. "Mas os americanos nos disseram que haviam pago a uma agência do Kuwait US$ 1.000 para cada homem e portanto tínhamos que trabalhar para eles". Shahjehan afirmou que a base era freqüentemente atacada com mísseis por combatentes iraquianos. David Kennedy, porta-voz da Embaixada americana em Nova Délhi, disse que autoridades estão investigando a denúncia. "Levamos a sério todas as notícias sobre abusos e todas alegações de maus-tratos são investigadas", garantiu. "Temos o compromisso de tratar todas as pessoas sob a autoridade de coalizão com dignidade, respeito e humanidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.