Indicação de premier em Kosovo causa revolta entre sérvios

Nacionalistas sérvios protestaram contra a indicação de um ex-comandante rebelde para o cargo de primeiro-ministro de Kosovo, afirmando que ele é um criminoso de guerra. A indicação ocorreu um dia depois que o atual ministro, Bajram Kosumi, renunciou ao cargo. O indicado é o ex-comandante do Exército de Libertação de Kosovo, Agim Ceku. O líder combateu tropas sérvias durante a guerra do Kosovo, entre 1998 e 1999, e lutou com o exército croata durante o desmantelamento da Iugoslávia no começo dos anos 90. O sérvios acusam Ceku de ter cometido crimes de guerra contra civis e emitiram um mandado de prisão contra ele. O presidente da Sérvia, Boris Tadic, disse que seu país não escolhe o primeiro-ministro de Kosovo mas que não sabe se é uma boa idéia apontar generais ou ex-militares para cargos civis. Atualmente, Albaneses e sérvios discutem o futuro de Kosovo, um protetorado da ONU desde o fim da guerra. Oficialmente o território ainda faz parte da Sérvia. Os albaneses, etnia majoritária da população, exige independência, enquanto a minoria sérvia insiste em manter o controle.

Agencia Estado,

02 Março 2006 | 18h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.