Indicada de Obama se explica por frase

Apontada para a Corte Suprema tinha declarado que ?hispânica inteligente? decide melhor que ?homem branco?

Gustavo Chacra, NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

15 de julho de 2009 | 00h00

Sonia Sotomayor, indicada pelo presidente Barack Obama para a Suprema Corte dos EUA, afirmou ontem, em seu segundo dia de audiência no Senado, que sua origem hispânica não afetará suas decisões, caso ela seja confirmada para o cargo.Senadores republicanos questionaram Sonia - primeira hispânica indicada para a função - sobre a razão de ela ter dito, em 2001, que "uma hispânica inteligente" poderia tomar decisões legais melhor do que um homem branco. Segundo os congressistas, se a construção da frase fosse inversa, eles seriam chamados de racistas. A juíza respondeu que a frase foi mal formulada e seu objetivo era apenas incentivar hispânicos e mulheres a seguirem carreiras jurídicas.Nascida na empobrecida região do Bronx, em Nova York, Sonia estudou em Princeton e, posteriormente, graduou-se em Direito em Yale - duas das melhores universidades dos EUA. "Não acredito que qualquer etnia, raça ou sexo possa ter vantagens na hora de fazer um julgamento", afirmou Sonia, acrescentando que nenhuma frase sua recebeu tanta atenção como essa. Ela ainda afirmou que seu histórico demonstra que ela nunca permitiu que suas visões ou simpatias pessoais influenciassem o resultado de um caso.Além da frase, outra decisão polêmica tem servido de munição para atacar a indicada de Obama para a Suprema Corte. No passado, Sonia anulou um exame para bombeiros em Connecticut porque candidatos de minorias étnicas não foram aprovados. A decisão foi revertida recentemente pela Suprema Corte. "Segui um precedente", explicou a juíza.Sua nomeação é dada como certa porque os democratas possuem ampla maioria no Senado. A juíza será a primeira nomeada por Obama e deve impor uma visão mais liberal à Suprema Corte, que possui enorme importância nos EUA. Suas decisões abrem precedentes que, posteriormente, podem ser usados em outros casos. Sua indicação é para a vaga deixada pelo juiz David Souter, também liberal. Atualmente, há quatro liberais e cinco conservadores na Suprema Corte americana. Com Sonia, o equilíbrio será mantido.O processo de nomeação e aprovação de um juiz da Suprema Corte nos EUA recebe ampla cobertura da imprensa. Os juízes possuem qualificações acadêmicas e todas as suas decisões legais no passado passam por um processo de escrutínio para verificar se há algo que possa servir como empecilho para a nomeação. Segundo os democratas, não há nada que possa desqualificar a indicação de Sonia para o cargo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.