Indiciados chefe de clã filipino e mais 195 por massacre

Em novembro de 2009, grupo matou 57 pessoas, entre elas jornalistas e assessores que cobririam candidatura

Agência Estado,

09 de fevereiro de 2010 | 11h06

Promotores públicos apresentaram nesta terça-feira, 9, acusações formais de múltiplo homicídio contra o patriarca do clã Ampatuan e mais 195 pessoas, entre elas três filhos do líder e dezenas de policiais e soldados, pelo massacre de 57 pessoas em novembro do ano passado no sul das Filipinas.

 

Os promotores afirmam que o patriarca Andal Ampatuan e os demais acusados tomaram parte de uma conspiração para emboscar e matar integrantes do clã rival Mangudadatu, assassinados em 23 de novembro no interior da província de Maguidanao.

Entre os 57 mortos estavam 30 jornalistas e assessores que viajavam para cobrir a apresentação de uma candidatura para fazer frente ao clã Ampatuan nas eleições de maio nas Filipinas. Antes do indiciamento de hoje, o único acusado era Andal Ampatuan Junior, filho do patriarca. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinasviolênciamassacreclã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.