Indígena anuncia candidatura à presidência do Equador

O indígena Antonio Vargas anunciou nesta sexta-feira que participará das eleições presidenciais de outubro como candidato, não para tirar votos de seus concorrentes, mas para ganhar. "Antes o índios lutavam por sua identidade, agora estamos metidos na política...os índios já passaram da época histórica em que pretendíamos apenas o nosso desenvolvimento", disse. "Quero ser candidato para ganhar e tomar o poder, não só para saudar a bandeira", acrescentou Vargas em declarações à Rádio Centro. Disse que a sugestão para candidatar-se lhe foi proposta pela Confederação das Nacionalidades Indígenas da Amazônia, que ratificou sua decisão na última quarta-feira. "Sei que muita gente - especialmente os pobres, a gente que vive na miséria - está me apoiando; por isso, não é apenas uma candidatura dos indígenas, mas de muitas organizações sociais do país." Vargas foi presidente da poderosa confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) e um dos responsáveis pela derrubada do presidente Jamil Mahuad em janeiro de 2000, a quem substituiu durante três horas no poder ao lado de duas outras pessoas. No entanto, a Conaie e seus atuais líderes não apóiam a candidatura Vargas e estão acusando-o de apresentá-la sem consultar a organização. A Conaie assegurou que seu braço político, o movimento Pachakutic, não participará das próximas eleições presidenciais com candidato próprio, mas que a decisão de Vargas coloca em risco a unidade dessa organização. Já para Vargas, "não há divisões no setor indígena, o que pode haver é só uma discrepância entre os líderes" do movimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.