Indonésia confirma 27 mil mortos; total supera os 60 mil

O número de mortos da catástrofe que abalou oito países asiáticos e quatro africanos já supera os 60 mil. Na medida em que o mar devolve às praias centenas de cadáveres, os corpos são identificados e contados pelas autoridades. A morte de milhares de pessoas dadas até então como desaparecidas se confirma. Na ilha indonésia de Sumatra, a apenas 160 quilômetros do epicentro do tremor de 9 graus na escala Richter que causou a série de tsunamis, registravam-se hoje 27 mil mortes. Os feridos só na Indonésia - muitos dos quais em estado grave e recebendo atendimento em condições adversas - podem chegar a 100 mil. Milhares de pessoas continuam desaparecidas e o número de desabrigados está na casa das centenas de milhares. Saques começaram a ser registrados hoje em algumas áreas devastadas do país.No Sri Lanka, o número de mortos chegava hoje a 18.700 e, segundo fontes oficiais, deve passar dos 20 mil. Um tsunami atingiu um trem local que integra várias cidades litorâneas do país, causando seu descarrilamento. O número de mortos, só nesse incidente, é estimado em mais de mil. A guerrilha Tigres de Libertação do Eelan-Tâmil, que teve as áreas sob seu controle afetadas, anunciou ter montado um esquema especial para dar assistência aos feridos e desabrigados.Na Índia, os mortos eram hoje 11.500, incluindo cerca de 7 mil pessoas desaparecidas nas distantes ilhas de Andaman e Nicobar - arrasadas pelas ondas gigantes. Mais de 1.500 mortes tinham sido confirmadas na Tailândia, incluindo centenas de turistas que aproveitavam o domingo de sol nas paradisíacas praias de Phuket e Phi Phi. A rede hoteleira Accor anunciou na véspera que tinha perdido todo o contato com seu hotel. Hoje, 35 corpos foram encontrados nos escombros do hotel, onde havia quase 500 pessoas no domingo.As ondas gigantes também mataram 55 nas Ilhas Maldivas, 65 na Malásia, 36 em Mianmá (ex-Birmânia) e 2 em Bangladesh. Na África, morreram 133 na Somália, Quênia, Tanzânia e Ilhas Seychelles.Os novos dados fazem do desastre a maior tragédia provocada por tsunamis da história - o recorde anterior, 36 mil mortos, havia sido registrado ainda no século XIX, após a explosão do vulcão de Krakatoa, também na Indonésia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.