Indonésia confirma que militante mais procurado do país continua vivo

Testes de DNA revelaram que homem morto no sábado não era Noordin Mohammed Top.

BBC Brasil, BBC

12 de agosto de 2009 | 01h09

A polícia da Indonésia confirmou, nesta quarta-feira, que o militante morto durante uma grande operação "antiterrorismo" no sábado, em Java, não é o Noordin Mohammed Top, um dos homens mais procurados da Ásia.

Segundo a polícia, a informação foi confirmada pelos resultados do teste de DNA feito no corpo.

O homem, morto no sábado depois de 17 horas de conflito, com trocas de tiros e diversas explosões, foi identificado como um dos suspeitos nos ataque de 17 julho contra dois hotéis de luxo em Jacarta.

A notícia sobre a identidade do militante morto nas operações do final de semana é uma grande decepção para as autoridades da Indonésia, que haviam anunciado que possivelmente teriam matado o Noordin Top.

Noordin, que nasceu na Malásia, seria um dos líderes do grupo radical Jemaah Islamiyah, ligado à al-Qaeda, e teria, recentemente, fundado seu próprio grupo militante.

Ele é suspeito de ter planejado atentados em Bali em 2002 e 2005, além de outros ataques na Indonésia, inclusive os dois contra hotéis de luxo em Jacarta no último mês.

Segundo a polícia, a operação do final de semana foi resultado da prisão de dois supostos militantes aliados de Noordin Top no distrito de Temanggung. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.