Indonésia detém novo suspeito de ataque a hotéis em Jacarta

Mohamah Jibril, conhecido também por Muhamad Ricky Ardan, teria conseguido financiamento para atentado

Efe,

26 de agosto de 2009 | 02h23

A polícia indonésia anunciou nesta quarta-feira, 26, a captura da pessoa que teria conseguido o financiamento para viabilizar, em julho passado, o duplo atentado contra hotéis de luxo de Jacarta que deixou nove mortos.

 

O porta-voz da polícia local, Nanan Soekarna, disse em coletiva de imprensa que Mohamah Jibril, ex-militante da Jemaah Islamiya e formado em uma escola corânica do Paquistão, foi detido nesta terça-feira.

 

Segundo Soekarna, as forças de segurança investigam como e de onde os terroristas receberam o dinheiro usado na preparação e execução dos dois ataques à bomba.

Jibril, conhecido também por Muhamad Ricky Ardan, é filho do ulemá Abu Jibril, detido no final de 2001 na Malásia por envolvimento com a cúpula da Jemaah Islamiya e deportado à Indonésia após ficar cinco meses em prisão.

 

Segundo o porta-voz policial, o ulemá e o detido dirigem um site que promove o radicalismo islâmico e cuja sede foi alvo de uma batida nesta terça. O grupo terrorista Jemaah Islamiya é considerado o braço da Al-Qaeda no Sudeste Asiático.

 

Desde que aconteceram os atentados contra os hotéis das redes Marriott e Ritz Carlton, as forças de segurança da Indonésia detiveram seis pessoas, incluindo Jibril.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãohotelJacarta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.