Indonésia investiga acidente aéreo e tenta identificar vítimas

As autoridades indonésias estão investigando o incêndio de um avião da companhia aérea estatal Garuda, quando aterrissava na cidade de Yogyakarta, em Java, no qualmorreram 22 pessoas, enquanto continuam tentando identificar as vítimas.Por enquanto apenas sete corpos foram identificados, segundo o site Kompas. Dois deles são de australianos: o jornalista Morgan Mellish, do "Australian Financial Review", e Elizabeth O´Neill, funcionária da embaixada em Jacarta.Também morreu no acidente o reitor da Universidade Gadjah Mada, de Yogyakarta, Koesnadi Hardjasumantri.As autoridades da Austrália têm poucas esperanças de encontrar vivos os outros australianos que viajavam no avião. O comissário da Polícia Federal Australiana, Mick Keelty, disse que entre os desaparecidos estão dois de seus oficiais, Brice Steele e Mark Scott.Também está desaparecida a representante em Jacarta da agência de cooperação internacional australiana AusAID, Allison Sudrajat.O primeiro-ministro australiano, John Howard, afirmou que "uma busca meticulosa nos hospitais de Yogyakarta garantiu que as pessoas desaparecidas não estavam lá".Ida Bagus, responsável pela equipe de legistas que se encarrega da identificação, explicou nesta quinta-feira, 8, à rede de rádio Sonora que o processo é lento e difícil porque os corpos das vítimas estão carbonizados.As propriedades e roupas dos mortos forneceram pouca informação. Assim, a equipe começou com a inspeção odontológica, das impressões digitais e testes de DNA.As autoridades indonésias e representantes da Austrália iniciaram uma investigação para esclarecer as causas do incêndio."Por enquanto não encontramos nenhuma indicação de terroristas envolvidos no acidente", declarou à agência Antara Arsyaad Mbai, chefe da Mesa de Coordenação Antiterrorista do Ministério de Segurança.A tragédia aconteceu na manhã de quarta-feira, 7, quando um Boeing 737-400 vindo de Jacarta se incendiou após uma violenta aterrissagem no aeroporto de Yogyakarta.O avião saiu da pista e 119 de seus 133 ocupantes conseguiram escapar das chamas pela porta de emergência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.