Indonésia lança operação para erradicar rebeldes

Aviões de combate da Indonésia atacaram com mísseis uma base rebelde na província de Aceh, iniciando uma ofensiva militar apenas horas depois do fracasso de negociações de paz em Tóquio, e a imposição da lei marcial na região. Mais de mil soldados das forças especiais chegaram à província por ar e mar em uma operação para "destruir" as posições rebeldes em Aceh, no noroeste do país, no que se considera a maior operação militar da Indonésia desde que o governo de Jacarta invadiu o Timor Leste em 1975. As conversações em Tóquio fracassaram quando os rebeldes islâmicos rejeitaram as exigências da Indonésia de depor as armas, abandonar suas intenções de independência e aceitar autonomia regional. Os insurgentes prometem resistir a todo ataque do Exército e lutar por sua independência.A presidente Megawati Sukarnoputri assinou no domingo à noite um decreto pelo qual autoriza a guerra na província, rica em gás e petróleo, e impõe a lei marcial, dando às forças armadas amplos poderes para realizar prisões, impor toques de recolher e controlar o trânsito. De imediato, o Exército prendeu cinco dirigentes rebeldes. Hoje, aviões indonésios lançaram mísseis contra o bastião rebelde a leste da capital provincial, Banda Aceh, disse o major-general Erwin Sujono. Horas antes, em uma demonstração de força, centenas de soldados haviam chegado à província em pára-quedas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.