REUTERS/Iggoy el Fitra
REUTERS/Iggoy el Fitra

Indonésia registra terremoto de 7,9 graus de magnitude

Agências de buscas e resgates informaram que algumas pessoas morreram em razão do incidente, mas a informação ainda não foi confirmada

O Estado de S. Paulo

02 de março de 2016 | 12h21

JACARTA - A Indonésia registrou um forte terremoto de magnitude 7,9 na costa da ilha de Sumatra nesta quarta-feira, 2, informou a Agência Meteorológica Nacional. Logo após o incidente, o país havia emitido um alerta de tsunami para Sumatra Ocidental, Sumatra Setentrional e Aceh, mas o suspendeu pouco tempo depois.

Segundo informações de agências de buscas e resgates, algumas pessoas morreram em razão do incidente, mas ainda não há confirmação ou número exato de vítimas.

"Muita gente com medo. Os moradores saíram rapidamente de suas casas", declarou o indonésio Doni Nopñriandi, um funcionário de Saúde em Padang, ao jornal Detik. "Estamos acostumados com os terremotos. O que dá medo são as réplicas", explicou. Ele detalhou ainda que primeiro foi sentido um tremor que durou pouco e depois outro mais intenso e prolongado.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos, que registra a atividade sísmica no mundo todo, localizou o epicentro a 10 km de profundidade e a 808 km de Padang, a capital de Sumatra Ocidental.

O tremor foi sentido inclusive em Cingapura, embora a Agência Nacional de Meio Ambiente local tenha dito à população que é "improvável" que o terremoto cause danos no país.

O presidente da Indonésia, Joko Widodo estava em Sumatra no momento do tremor, mas não ficou ferido.

A região sofreu outro terremoto em 2005, de 8,7 graus de magnitude, que deixou 1.300 mortos. No ano anterior, outro tremor matou 230 mil pessoas, a maioria em Aceh.

A Indonésia está sobre o "Anel de Fogo do Pacífico", região de grande atividade sísmica e vulcânica que enfrenta todo ano cerca de sete mil tremores, a maioria de intensidade moderada. /REUTERS, ASSOCIATED PRESS e EFE

Mais conteúdo sobre:
Indonésiaterremototremor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.