Influência do Irã impede progresso no diálogo de paz, diz Netanyahu

Premiê israelense isenta seu país da responsabilidade pela estagnação das conversas

estadão.com.br

23 de dezembro de 2010 | 16h04

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta quinta-feira, 23, que o mundo está começando a compreender que seu país não é o obstáculo que impede o progresso nas negociações de paz no Oriente Médio, informa o jornal israelense Haaretz.

 

Veja também:

linkUruguai reconhecerá Estado palestino

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

Netanyahu livrou seu país da culpa pela estagnação do diálogo de paz com os palestinos e responsabilizou a influência do Irã e as divisões internas do Fatah, partido que controla e Cisjordânia e do qual o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, faz parte.

 

Netanyahu disse que o mundo sabe que as armas do Irã são o principal problema no Oriente Médio, e não o histórico conflito entre israelenses e palestinos. Israel e Irã se consideram inimigos mortais e acusam um ao outro de estar impedindo a paz na região.

 

As negociações de paz foram retomadas em setembro após quase dois anos de paralisação, mas as construções de assentamentos judaicos nos territórios ocupados fazem com que os palestinos se recusem a continuar o diálogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.