Informação falsa citada por Bush pode ter vindo da Itália

A Itália poderia ser a fonte da informação, difundida por Washington e Londres, de que Saddam Hussein tentou comprar urânio na África, disse o presidente de um comitê parlamentar de inteligência. O governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi negou que os serviços de espionagem italianos tenham transmitido "documentos" sobre o assunto. Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha utilizaram a informação sobre a suposta tentativa iraquiana de comprar urânio em Níger para sustentar seus argumentos a favor da guerra. No entanto, ficou demonstrado que os documentos utilizados eram falsos.Enzo Bianco, titular do comitê italiano, não negou a possibilidade de a informação ter sido entregue de maneira informal. "É possível, não descarto (tal possibilidade)", disse ele, depois de uma reunião do comitê com um alto funcionário do governo.A imprensa da Itália tem afirmado que a espionagem italiana entregou a documentação que gerou tal argumento. Em resposta, o chanceler Franco Frattini afirmou hoje: A Itália "nunca, nunca entregou documentos relacionados com este fato aos serviços de inteligência de outras nações". O subsecretário de gabinete Gianni Letta, um dos assessores principais do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, reiterou a posição do governo durante seu informe ao comitê de inteligência. Mas, segundo Bianco, que é da oposição, se recusou a mostrar os documentos do serviço de espionagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.