Informações podem esclarecer suspeitas contra Menem

A poucos dias do segundo turno das eleições presidenciais na Argentina, a Justiça de Buenos Aires envia ao governo suíço informações precisas que abrem caminho para que se identifique uma conta em nome do ex-presidente e candidato, Carlos Menem, em que teria sido depositado um suborno de US$ 10 milhões. Hoje, o Ministério da Justiça da Suíça afirmou ter recebido de Buenos Aires uma carta rogatória que ajudará a esclarecer suspeitas contra o ex-presidente. O juiz argentino, Juan José Galeano, acredita que o ex-presidente teria recebido um suborno milionário do governo iraniano para abafar as investigações sobre o atentado contra a entidade judaica em Buenos Aires, AMIA. Esse dinheiro, segundo os procuradores argentinos, estaria na Suíça. Na carta, o juiz teria mencionado o nome do banco e a cidade em que o depósito foi feito. "Isso vai nos ajudar muito a desvendar a existência de uma conta", afirmou o porta-voz do Ministério da Justiça suíça, Folco Galli. O governo de Liechtenstein apresentou hoje uma queixa aos argentinos por não terem investigado uma ex-cunhada de Menem, Amira Yoma, que teria feito depósitos no país europeu com recursos gerados pelo tráfico de drogas. Além da eventual conta relacionada ao suborno, a Suíça já identificou duas outras contas em nome de pessoas relacionadas à Menem, uma em Genebra e outra em Zurique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.