Informes contraditórios dominam conflito na Ossétia

Um oficial das forças de paz russas na província separatista da Ossétia do Sul, na Geórgia, disse que os combates "cessaram no momento" na capital provincial de Tskhinvali. "Não há mais trocas de disparos de artilharia. Mas nos arredores da cidade se ouve o barulho de canhões, procedente do sul", afirmou o oficial.Horas antes, o Ministério das Relações Exteriores da Geórgia havia emitido comunicado manifestando "sua prontidão para iniciar imediatamente negociações com a Federação Russa para um cessar-fogo e para o fim das hostilidades", mas o encarregado de negócios da embaixada russa em Washington, Alexander Darchiev, disse que as tropas georgianas "não estão se retirando, mas reagrupando, o que inclui tanques pesados e ataques de artilharia contra Tskhinvali".Ao longo de todo o domingo foram emitidos informes de combates entre forças russas e georgianas, mas a maioria desses relatos se baseia em fontes de um dos lados do conflito e não tem confirmação independente. No começo da noite (horário de Brasília), enquanto o governo russo falava em diminuição da intensidade do conflito, o governo da Geórgia dizia que a cidade de Gori estava sendo atingida por disparos da artilharia russa.Durante o dia, o governo da Geórgia disse que suas tropas impediram que uma coluna de tanques russos invadisse território georgiano a partir da Ossétia do Sul e que aviões russos haviam bombardeado o aeroporto de Tbilisi, a capital do país, menos de uma hora antes da chegada do ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, que viajou para lá na tentativa de mediar uma solução pacífica. A Rússia, por sua vez, disse que sua Marinha afundou um torpedeiro georgiano que tentava atacar seus navios no Mar Negro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.