Infraestrutura é ponto fraco de política chavista

Os US$ 20 bilhões em empréstimos da China podem trazer algum alívio para o governo Hugo Chávez, mas dificilmente farão diferença na solução de problemas que ameaçam a performance dos seus aliados nas eleições legislativas de setembro. A maior parte desses problemas depende de políticas de longo prazo. Entre eles está a falta de água e energia - resultado de condições climáticas desfavoráveis, mas também da escassez de investimentos no setor. Também a inflação descontrolada, provocada por políticas econômicas desastrosas e pela falta de incentivos à produção. E, por fim, a violência.

Bastidores: Ruth Costas, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2010 | 00h00

As eleições devem marcar, portanto, a volta da oposição ao Legislativo (eles boicotaram a última votação). O que pode limitar seu avanço são as novas regras sobre contagem dos votos, distribuição de cargos e a incapacidade em formular uma alternativa a Chávez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.