Fayyaz Hussai/Reuters
Fayyaz Hussai/Reuters

Ingestão de bebida alcoólica adulterada mata 31 pessoas no Paquistão

Esse tipo de tragédia acontece com relativa frequência no país, oficialmente uma república islâmica onde a lei só permite que não muçulmanos comprem e consumam bebidas alcoólicas

O Estado de S. Paulo

27 Dezembro 2016 | 15h35

ISLAMABAD - Pelo menos 31 pessoas morreram depois de beber um licor adulterado produzido de maneira ilegal durante as comemorações do Natal no centro do Paquistão, informou a Polícia nesta terça-feira, 27. 

O caso aconteceu na região cristã de Toba Tek Singh, de acordo com o porta-voz da Polícia da cidade, Abdul Khaliq. "Aproximadamente, 50 pessoas foram afetadas pelo álcool adulterado, sendo que 31 morreram", declarou Khaliq, que explicou que as demais vítimas estão internadas e 17 delas estão em estado grave.

Esse tipo de tragédia acontece com relativa frequência no Paquistão, oficialmente uma república islâmica onde a lei só permite que não muçulmanos - pouco mais de 3% da população do país - comprem e consumam bebidas alcoólicas. Em março deste ano, 100 pessoas se intoxicaram, das quais 45 morreram, depois de tomar álcool adulterado no sul do país.

A bebida é cara e pode ser conseguida no mercado ou em destilarias clandestinas de confiabilidade duvidosa. / EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.