Inglaterra é importante para defesa antimíssil, diz estudo

Um estudo do governo britânico sobre o sistema de defesa antimíssil planejado pelos EUA diz que uma estação de alerta no norte da Inglaterra poderia ajudar na defesa contra ataques vindos do Oriente Médio. O secretário de Defesa britânico Geoff Hoon, ao divulgar o texto, disse que os EUA ainda não fizeram nenhum pedido formal para usar instalações do Reino Unido neste projeto. Muitos cidadãos britânicos se opõem ao uso de bases do país pelos americanos, como parte do sistema antimíssil. O governo informa ter divulgado o estudo para estimular o debate da questão. Embora não exista nenhuma ameaça imediata à Grã-Bretanha por meio de mísseis, diz o estudo, há ?causa séria para preocupação? de que Estados como o Iraque, Irã, Coréia do Norte e Líbia tenham ou estejam buscando a capacidade de lançar mísseis balísticos. ?Manter um perfil discreto e esperar pelo melhor não é uma opção. A segurança está em reconhecer as ameaças conforme surgem e tomar medidas pró-ativas para lidar com elas?, diz o estudo. O texto afirma que o uso da base britânica de vigilância na base de Fylingdales da Real Força Aérea poderia ajudar a proteger a Europa contra ataques de míssil vindos do Oriente Médio, se Fylingdales for parte da rede de defesa antimíssil.

Agencia Estado,

09 Dezembro 2002 | 20h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.