Ingleses estão longe de conquistar Basra

Ao contrário do que vinham dando a entender nos últimos dias os líderes da coalizão anglo-americana, o porta-voz das Forças Armadas da Grã-Bretanha, coronel Chris Vernon, admitiu nesta sexta-feira, em entrevista à rede de TV Sky, que seus soldados "não estão nem sequer perto de tomar Basra". Vernon admitiu também que a coalizão subestimou a capacidade de resistência das forças leais a Saddam Hussein.Basra, segunda maior cidade iraquiana, está sob assédio das tropas britânicas desde os primeiros dias da guerra. Mas os combatentes do grupo paramilitar Fedayin, formada por radicais pró-Saddam, resistem ferozmente ao avanço da coalizão, forçando os soldados britânicos - incluindo o grupo de elite Ratos do Deserto - a recuar de algumas posições."Sabíamos que haveria uma resistência irregular", declarou Vernon. "Mas, para sermos francos, os elementos e o nível de determinação dessas forças superaram nossas estimativas." Segundo Vernon, os estrategistas da coalizão esperavam que os enfrentamentos com as forças iraquianas fossem "muito fáceis".A maior parte da população de Basra é de muçulmanos xiitas que, há décadas, têm sido perseguidos por Saddam. Os comandantes da coalizão esperavam que essa população fosse receber de braços abertos a ocupação anglo-americana, o que não aconteceu.No começo da semana, os britânicos tentaram plantar a notícia de que havia uma revolta contra Saddam na cidade, desmentida pelos xiitas. Nesta sexta-feira, forças britânicas afirmaram que franco-atiradores do Fedayin estavam disparando contra moradores da cidade que tentavam fugir.Segundo a emissora de TV BBC, que cita porta-vozes britânicos, soldados do regimento escocês The Black Watch atacaram as tropas iraquianas que disparavam contra os fugitivos e os obrigaram a voltar à cidade em meio a cenas de caos e pânico. Nenhuma fonte independente confirmou a informação.As tropas britânicas estão posicionadas há dias na entrada da cidade, de mais de um milhão de habitantes, à espera de uma revolta popular da qual possam tirar proveito. "Na medida em que formos avançando de modo mais consistente, consolidando as posições de retaguarda, a conquista de Basra estará militarmente assegurada", disse Vernon.Outro alto oficial britânico, o general Michael Jackson, rejeitou os relatos segundo os quais a resistência iraquiana tem atrasado a ofensiva em Basra. "Nenhum exército pode avançar para sempre sem se deter de vez em quando para reagrupar suas forças e assegurar-se de que conta com os suprimentos necessários", declarou. "Além disso, acreditem ou não, os soldados precisam dormir de vez em quando.""Assim, continuou Jackson, essas paradas são somente uma pausa enquanto os soldados se preparam para a fase seguinte", disse o general.Nesta quinta-feira, as forças britânicas anunciaram ter destruído 14 tanques iraquianos que tentavam romper o cerco e sair de Basra. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.