Ingrid Betancourt desiste de pedir indenização milionária a Colômbia

Ex-refém das Farc queria compensação por perdas morais e financeiras sofridas durante seu sequestro.

BBC Brasil, BBC

13 de julho de 2010 | 21h18

Ingrid Betancourt, a ex-candidata à Presidência da Colômbia que passou seis anos em poder de guerrilheiros das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), anunciou nesta terça-feira que desistiu de cobrar uma indenização de US$ 6,5 milhões (mais de R$ 11 milhões) do Estado colombiano.

"Falei ao meu advogado que não quero ir em frente com a queixa, não desejo fazer isso", disse ela à rede de TV colombiana Caracol.

"Para mim a indenização não é o que interessa mas sim o debate, que os colombianos conheçam os fatos", afirmou, dizendo ainda acreditar que cometeu "um erro" ao pedir a quantia ao governo da Colômbia por perdas morais e financeiras causadas por seu sequestro.

O anúncio na semana passada do pedido de indenização foi muito criticado na Colômbia, com Betancourt sendo acusada de mal-agradecida.

Salários

A ex-refém alegava que o Estado falhou na obrigação constitucional de lhe garantir segurança no território nacional. Também afirmou que, junto com a candidata à vice-presidente, Clara Rojas, recebeu sinal verde para que seguisse rumo à região onde foram sequestradas.

Mas o governo disse que advertiu a dupla para que evitasse o local, com grande presença de guerrilheiros.

Pelo menos um outro refém das Farc, o ex-governador Alan Jara, estuda a possibilidade de pedir indenização por seu sequestro, conforme apurou a BBC Mundo.

Jara, Betancourt, Clara Rojas e o ex-ministro Fernando Araújo não receberam salários durante o período do sequestro, diferentemente do que ocorreu com outras dezenas de reféns em poder das Farc, remunerados durante o cativeiro.

Betancourt, sequestrada em fevereiro de 2002, transformou-se em símbolo dos reféns em poder das Farc.

Ela foi resgatada por forças do exército em julho de 2008. Logo depois, mudou-se para França, onde deve lançar um livro sobre seu sequestro.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.