Iniciam-se negociações para formar o governo iraquiano

Líderes árabes xiitas iniciaram as negociações com políticos sunitas e curdos para a formação de um governo de unidade nacional, afirmou uma fonte xiita nesta quarta-feira. Quatro nomes foram sugeridos para o cargo de primeiro-ministro na composição de governo a ser anunciada ao término das conversas, que deverá se estender por diversas semanas.Os quatro candidatos apontados pela aliança são o atual primeiro-ministro interino Ibrahim al-Jaafari, o físico nuclear Hussein al-Shahrastani, Nadim al-Jabiri, do Partido Fadhila, e Adil Abdul-Mahdi, do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque (CSRII).Líderes sunitas disseram que as negociações ainda não abordaram temas importantes para a minoria, como a transformação do Iraque num Estado federativo e a cláusula que proíbe altos membros do proscrito Partido Baath de ocupar postos no governo. As negociações começam em meio a uma onda de violência sectária que coloca em risco a integridade do processo de criação de um novo governo. Hoje, o destacado clérigo sunita Karim Jassim Mohammed, de 39 anos, foi assassinado pela polícia num posto de checagem na entrada de Samarra, no norte do Iraque. Um policial também foi morto num tiroteio em Cidade Sadr, um empobrecido bairro xiita de Bagdá. Ontem, Mahmoud Zaal, um cinegrafista da televisão local, foi morto em meio a uma intensa troca de tiros entre soldados americanos e rebeldes iraquianos nas proximidades de Ramadi, uma cidade volátil a oeste de Bagdá. As circunstâncias da morte do cinegrafista não são muito claras até o momento. O Exército dos Estados Unidos alegou não dispor de informações sobre a morte do cinegrafista, mas informou que sete insurgentes morreram em dois choques separados no centro de Ramadi.Enquanto isso, mais um soldado americano morreu ontem em Karmah, 80 quilômetros a oeste de Bagdá. Segundo uma contagem da Associated Press, 2.236 militares americanos morreram no Iraque desde 20 de março de 2003, quando forças estrangeiras lideradas pelos EUA invadiram o país árabe em busca de armas de destruição em massa que nunca vieram a ser encontradas.Enquanto isso, o Ministério da Justiça do Iraque anunciou hoje que o Exército americano libertará amanhã 424 presos, entre eles cinco Mulheres. A libertação das cinco poderia estar relacionada ao seqüestro da jornalista americana Jill Carroll, repórter do jornal Christian Science Monitor. Seus seqüestradores exigiram a libertação de oito mulheres iraquianas que

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.