Iniciativa do WikiLeaks é 'perigosa', diz embaixador dos EUA no Brasil

Para Shannon, cidadãos, organizações e governos precisam de espaço de confidencialidade

ANNE WARTH, Agência Estado

10 de dezembro de 2010 | 14h56

O embaixador do Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, disse nesta sexta-feira, 10, que o site WikiLeaks é uma tentativa de colapsar a capacidade dos governos de tomar decisões corretas.

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

"A meu ver, o WikiLeaks é uma tentativa de colapsar a capacidade de governos de tomar decisões acertadas. Isso é perigoso.", disse o diplomata em visita à sede da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional São Paulo (OAB-SP), na capital paulista.

Para o embaixador norte-americano, todas os cidadãos, organizações e governos precisam de espaço de confidencialidade. Ele questionou os benefícios advindos de uma política de transparência total e comparou a divulgação de informações confidenciais de governo às da vida particular de cada cidadão.

"Estamos trabalhando num mundo pós-WikiLeaks. Eu poderia perguntar a todos vocês (advogados e jornalistas) o que vocês achariam se alguém batesse em sua porta hoje para dizer que tem gravações de todas as suas conversas com sua esposa e que está disposto a publicá-las. Vocês pensariam que essa transparência é algo útil ou ruim?", questionou.

"Eu sei como eu reagiria. Cada um de nós, pessoas, organizações, governos, precisa de espaços de confidencialidade para trocar opiniões e informações, fazer avaliações e análises e, com base nisso, tomar decisões.", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
WikiLeaksEUAembaixadorThomas Shannon

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.