Inla renuncia à violência na Irlanda do Norte

O Exército Irlandês de Libertação Nacional (Inla, pelas iniciais em inglês) renunciou oficialmente à violência neste domingo e informou que planeja entregar suas armas.

DANIEL COOKE, Agencia Estado

11 de outubro de 2009 | 14h27

Sob a condição de anonimato, dois oficiais - um do grupo paramilitar proscrito e outro de uma facção política marxista - disseram à Associated Press que o Inla, uma dissidência do Exército Republicano Irlandês (Ira, também pela sigla em inglês), vai cumprir estes compromissos 11 anos depois da declaração de um frágil cessar-fogo.

Os oficiais negaram que o anúncio tivesse sido feito para coincidir com a visita da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, ao Reino Unido e à Irlanda.

O prazo para os membros do Inla entregarem suas armas e explosivos com impunidade está se esgotando. O Reino Unido e a Irlanda planejam encerrar em breve a anistia dos últimos 12 anos para aqueles que entregam armas.

Oficiais britânicos e irlandeses receberam a renúncia da violência com ceticismo, devido à percepção de que o Inla é nada mais que uma aliança de gangues pequenas com uma tendência a brigar entre si pelo controle de atividades ilícitas.

O braço político do IRA, o Sinn Fein, também manifestou dúvidas de que a renúncia do Inla representasse um verdadeiro compromisso com a paz. "No entanto, é algo bem-vindo se for seguido pelos esforços necessários," disse o líder do Sinn Fein Gerry Adams.

O Inla matou mais de 110 pessoas desde a sua fundação, em 1974, até o cessar-fogo, em 1998.

Recentemente, a violência na Irlanda do Norte ameaçou ressurgir quando dois soldados britânicos e um policial foram mortos em março pelos grupos Ira Autêntico e Ira Continuidade.

Antes de partir de Londres para Dublin e Belfast no domingo, Hillary Clinton disse que os responsáveis pela escalada recente da violência na Irlanda do Norte representam o passado. "Para mim, terrorismo é sempre terrorismo. Aqueles que tentam acabar com a paz das pessoas continuam vivendo no passado," disse Hillary.

"É essencial que o processo que começou com o Acordo da Sexta-Feira Santa vá até o fim," completou.

O acordo de paz da Sexta-Feira Santa acabou com a maior parte da violência política na região, que matou pelo menos 3.500 pessoas nos últimos tempos. As informações são da Dow Jones e Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IrlandaInla

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.