Inquérito da morte de Jean Charles será adiado

O encarregado pelo inquérito sobre a morte do brasileiro Jean Charles de Menezes, assassinado a tiros por policiais britânicos, disse que as audiências sobre o caso não ocorrerão até que uma ação judicial movida contra a polícia metropolitana de Londres, a Scotland Yard, seja julgada.O responsável pelo inquérito, John Sampson, atendeu ao pedido da promotoria de adiar o procedimento, mas desde que a ação seja enviada a julgamento, em primeira instância, dentro de um mês. A solicitação da promotoria foi combatida pela família de Jean Charles, que gostaria de ter o inquérito o quanto antes. A polícia, atualmente, responde por violações de saúde e segurança na morte do brasileiro, em 22 de julho de 2005. A promotoria decidiu não acusar policiais individuais quanto a estas acusações. A próxima audiência está prevista para 19 de setembro. O departamento de polícia poderá receber uma multa, sem valor máximo fixado em lei, se condenado.Os promotores alegam que as audiências poderiam afetar indevidamente o resultado do julgamento.Policiais deram sete tiros na cabeça de Jean Charles numa estação londrina de metrô, depois de confundi-lo com um terrorista. A morte ocorreu duas semanas depois dos atentados de 7 de julho de 2005, que deixaram 56 mortos, incluindo os quatro autores do atentado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.