Inquérito nos EUA determina que Palin abusou do poder no cargo

Um inquérito no Alasca determinou que a governadora Sarah Palin, candidata à vice-presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano, abusou de seu poder ao demitir o comissário de segurança pública do Estado, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira. A investigação tentou apurar se a dispensa está ligada a uma rixa pessoal de Palin com o funcionário, que envolveu-se em um divórcio litigioso com a irmã da governadora. Legisladores do Alasca reuniram-se a portas fechadas na sexta-feira para discutir o assunto. Os onze membros do Conselho Legislativo do Alasca, sendo sete republicanos e quatro democratas, analisaram as informações contidas no relatório elaborado por Steve Branchflower, um procurador aposentado contratado pelos legisladores para conduzir o inquérito. Depois que Palin foi selecionada para compor a chapa republicana com John McCain pela Casa Branca, o escândalo do Alasca conhecido como "Troopergate" ganhou interesse nacional. A campanha de McCain-Palin disse que a investigação se tratava de um esforço liderado por partidários da campanha do democrata Barack Obama e afirmou que o comissário foi demitido por causa de seu fraco desempenho no cargo. (Reportagem de Yereth Rosen)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.