Inspetor da ONU alerta para o risco do terrorismo nuclear

O mundo está numa "corrida contra o tempo" para evitar que armas nucleares caiam nas mãos de terroristas, o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohammed ElBaradei. O chefe da agência de controle nuclear da ONU crê que o mundo não está preparado para lidar com um ataque nuclear ou radioativo promovido por terroristas, e tem de se apressar e endurecer as medidas internacionais de não-proliferação, a fim de evitar tal possibilidade. "Estamos numa corrida contra o tempo porque é algo para o qual não estamos preparados", estimou ElBaradei. "Temos de cruzar os dedos e torcer para que nada aconteça". Falando nos bastidores de uma conferência internacional sobre segurança nuclear na Austrália, ElBaradei disse que as investigações promovidas pela AIEA sobre os supostos programas de armas nucleares da Líbia e Irã revelaram a existência de um grande mercado negro mundial para materiais radioativos. Houve mais de 600 casos confirmados de tráfico de materiais radioativos e nucleares desde 1993, contou. "Temos de fazer tudo que podemos para trabalhar neste novo fenômeno chamado terrorismo nuclear, que saltou aos nossos olhos depois do 11 de setembro, quando percebemos que os terroristas se tornaram mais sofisticados e têm demonstrado interesse em materiais nuclear e radioativo", advertiu. A ameaça é "real e atual", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.