Inspetor da ONU duvida que haja armas proibidas no Iraque

O chefe dos inspetores de armas das Nações Unidas, Hans Blix, disse ter começado a suspeitar que o regime de Saddam Hussein não tinha armas de destruição em massa. A posse dessas armas foi o principal argumento usado pelos EUA e seus aliados para invadir a nação árabe, disse nesta sexta-feira um jornal alemão. "Obviamente, estou muito interessado em saber se havia ou não armas de destruição maciça" no Iraque, "e estou começando a suspeitar que possivelmente não havia nenhuma", disse Blix em entrevista ao diário berlinense Der Tagesspiegel.Se for esse o caso, a conduta evasiva do regime de Saddam nos últimos anos pode ter sido provocada questões de honra nacional, e por um desejo de ditar as condições sob as quais os inspetores poderiam entrar no Iraque. "Por essa razão, (Saddam) disse ´não´ em muitas ocasiões e deu a impressão de que estava ocultando algo", disse Blix, cuja equipe de inspetores abandonou o Iraque pouco antes da invasão aliada. Blix destacou que o tenente-general Amer al-Saadi - que, segundo funcionários, encabeçou o programa para o desenvolvimento de armas não-convencionais -, se rendeu aos EUA no mês passado. "O fato de al-Saadi ter-se rendido e dito que não havia armas de destruição em massa me fez questionar se realmente havia alguma", disse Blix. "Não vejo por que ele iria continuar temendo o regime. Além disso, outros dirigentes do regime de Saddam "disseram o mesmo", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.