Inspetores da ONU concluem visitas a lugares suspeitos

Os peritos das Nações Unidas (ONU) concluíram neste domingo uma visita de cinco horas às instalações que chegaram a produzir armas químicas e biológicas antes da guerra do Golfo, em 1991. Os inspetores da Comissão de Controle, Verificação e Inspeção da ONU (COCOVINU), passaram a manhã (horário local) em Falouja, 50 quilômetros a oeste de Bagdá, numa fábrica de inseticidas.À saída eles não quiseram falar com a imprensa, mas o diretor da unidade fabril, Haidar Tassan Taher, assegurou que eles "verificaram todos os equipamentos reportados pela UNSCOM", a missão anterior da ONU para controle do desarmamento do Iraque, entre 1991 e 1998.Entretanto, um novo grupo de peritos deverá partir neste domingo de Chipre para a capital iraquiana, onde irá juntar-se à primeira equipe de inspetores, que está trabalhando desde 25 de novembro.Este grupo é integrado por 21 inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) e quatro da COCOVINU, precisou o porta- voz da equipe.A partir deste domingo, e com a entrega da declaração por Bagdá da relação das armas de destruição em massa de que dispõe - formalizada neste sábado - e a chegada de futuras equipes de inspetores, a COCOVINU deve totalizar cerca de 100 peritos até ao final do ano.Uma cópia oficial do relatório iraquiano deve chegar neste domingo às 19:30 horas locais a Nova York 0h30 de Lisboa), após uma escala em Frankfurt, oeste da Alemanha.Os documentos - 11.807 páginas - viajam num vôo da companhia aérea alemã, Lufthansa, e antes de chegarem à sede da ONU percorreram uma rota que ligou a capital iraquiana a Larnaca, no Chipre, e daqui para a Alemanha.Do documento original sabe-se que foi feita uma segunda cópia oficial, e que se destina à AIEA, em Viena, de onde sairá a partir de Chipre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.