Inspetores da ONU negociam visitas ao Irã

O ex-presidente do Irã afirmou que o país vai garantir total acesso aos inspetores de armas nucleares da Organização das Nações Unidas, se eles não interferirem com a "segurança do país, valores e locais sagrados". As declarações de Hashemi Rafsanjani aconteceram durante as orações na Universidade de Teerã, ao mesmo tempo em que representantes da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) negociavam com representantes do governo a possibilidade de realizar inspeções no país.Os observadores nucleares da ONU fixaram o dia 31 de outubro como prazo limite para o governo iraniano provar que não tem nenhum programa de armas nucleares - os Estados Unidos garantem que tais programas existem. Se o governo não atender à AIEA, o caso do Irã poderá ser levado ao Conselho de Segurança da ONU.Rafsanjani, presidente entre 1989 e 97, lidera o influente Conselho de Sábios. Visto como um líder pragmático e conservador, ele é um conselheiro próximo ao líder supremo - aiatolá Ali Khamenei. Segundo o ministro de Relações Exteriores do país, Kamal Kharrazi, representante de uma ala mais moderada do establishment iraniano, o Irã vai fazer tudo o que for possível para evitar o envolvimento do Conselho de Segurança da ONU com o seu país.

Agencia Estado,

03 de outubro de 2003 | 19h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.