Inspetores nucleares da ONU deixam a Coreia do Norte

Analistas apontam que usina de plutônio norte-coreana poderia voltar a operar em pouco mais de três meses

Agências internacionais,

16 de abril de 2009 | 08h07

Inspetores nucleares da ONU deixaram Pyongyang nesta quinta-feira, 16, após terem sido expulsos pela Coreia do Norte, o que aumentou as tensões na região ao anular o processo de desarmamento. Um porta-voz da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmou notícias de que seus quatro monitores haviam deixado o recluso país comunista. Analistas disseram que os norte-coreanos podem ter a fábrica de plutônio operando novamente em pouco mais de três meses.

 

Veja também:

linkGilles Lapouge: Coreia do Norte põe em risco sonho de Obama

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

Eles desembarcaram em Pequim nesta quinta. A agência ligada à ONU informou que os funcionários não falariam com jornalistas e disse que não revelaria seu paradeiro. Um porta-voz da AIEA afirmou que os inspetores removeram na quarta-feira todos os selos da agência dos equipamentos no complexo nuclear de Yongbyon e desligaram as câmeras de vigilância.

 

Os Estados Unidos disseram que a Coreia do Norte pediu que deixem o país os quatro especialistas norte-americanos que fiscalizam o desligamento de Yongbyon sob um acordo de desarmamento. Segundo a agência de notícias japonesa Kyodo, eles já estão em Pyongyang e devem deixar o país na sexta-feira.

 

O Conselho de Segurança da ONU condenou de maneira unânime o lançamento de um foguete de longo alcance pela Coreia do Norte em 5 de abril, dizendo que a ação contrariou um veto das Nações Unidas e aumentando as sanções contra Pyongyang. A Coreia do Norte disse à AIEA na quinta-feira que havia decidido religar todas as instalações no complexo de Yongbyon, construído na era soviética, incluindo a unidade de reprocessamento que produz plutônio para armas nucleares.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.