Inspetores preparam-se para deixar a Coréia do Norte

Os inspetores nucleares da ONU preparam sua saída da Coréia do Norte. A informação foi dada hoje pela Agência Internacional de Energia Atômica. A porta-voz da agência, Melissa Fleming, disse à AP que três dos inspetores sairão do país em 31 de dezembro. O comunicado da agência classifica a Coréia do Norte como ?um país que não cumpre com suas obrigações internacionais?. A agência decidiu retirar seus inspetores um dia depois do governo norte-coreano ameaçar expulsá-los. Eles estiveram monitorando um reator neclear em Yongbyon, na capital do país, Pyongyang. ?Esta é a resposta à confirmação direta dos funcionários da República Democrática da Coréia do Norte aos inspetores, no sentido de que deviam abandonar a nação imediatamente?, disse Melissa Fleming. A porta-voz também disse que a retirada dos inspetores se deve ao fato de que o governo norte-coreano deixou sem resposta uma carta de protesto enviada pelo diretor da Agência Internacional de Energia Atômica, Mohamed El Baradei. Na carta, enviada do Sri Lanka, local onde passa férias, El Baradei dizia que a Coréia do Norte ?é uma nação que não cumpre com suas obrigações internacionais. Abre um perigoso precedente para a integridade do regime de não proliferação nuclear?. Mohamed El baradei disse na sexta-feira que a decisão do governo norte-coreano de retirar da agência seus últimos meios de observação e controle impossibilita assegurar-se que o país não produza armas nucleares. Disse também que estas atitudes reforçam a crise aberta pela retomada de operações de um complexo nuclear que fora fechado depois de um acordo com os Estados Unidos em 1994. A Coréia do Norte retirou os lacres que haviam sido colocados pela ONU em seu complexo nuclear. Além disso, desinstalou as câmeras de monitoramento que operavam no complexo e iniciou o transporte de cilindros de combustível em volume suficiente para ativar um reator de cinco megawatts em Yongbyon. A Agência Internacional de Energia Atômica confirmou ontem o recebimento de uma carta da Coréia do Norte em que o país ?solicita a retirada imediata dos inspetores da agência?. El Baradei havia mandado uma resposta ao diretor de energia do governo, Ri Je Son, pedindo a permanência dos inspetores e a reinstalação de selos e câmeras de vídeo no complexo de Yongbyon. O monitoramento na área de Yongbyong começou depois que um acordo lacrou o complexo nuclear, em 1994, com o objetivo de que não fossem produzidas armas atômicas.

Agencia Estado,

28 Dezembro 2002 | 11h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.