Instabilidade na Líbia faz preço do petróleo chegar a US$ 104,57

Barril do tipo Brent subiu 1,75% nesta segunda-feira, atingindo o maior nível desde a crise de 2008

BBC Brasil, BBC

21 Fevereiro 2011 | 09h39

Como resultado da instabilidade política na Líbia, o preço do petróleo do tipo Brent subiu 1,75% nesta segunda-feira, atingindo US$ 104,57, maior nível desde o início da crise econômica, em 2008.

Veja também:

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico A revolta que abalou o Oriente Médio

A empresa petrolífera BP anunciou sua intenção de evacuar parte de seus 140 funcionários no país, um grande exportador para o mercado europeu. Paralelamente, as ações da petrolífera italiana ENI, que também atua na Líbia, caíram 3,2%.

A companhia disse no sábado que suas operações não haviam sido afetadas pela violência, que naquele dia se espalhou para a capital, Trípoli.

Segundo relatos, uma greve de funcionários fechou o campo de Nafoora, operado por uma subsidiária da petrolífera estatal líbia.

Evacuação

Um porta-voz da BP disse que a empresa britânica estava monitorando a situação na Líbia e "fazendo os preparativos para evacuar algumas das famílias, e alguns funcionários não essenciais nos próximos dois dias".

Só 40 dos seus funcionários na Líbia são expatriados.  A empresa já interrompeu suas operações em campos onshore (sobre a terra), embora os campos ainda estejam em fase preparatória, sem produzir petróleo.  A BP diz que outros campos offshore explorados pela companhia não foram afetados.

A chancelaria da Grã-Bretanha recomendou que cidadãos britânicos sem necessidade de permanecer na Líbia deixem o país por meios comerciais desde que seja seguro fazê-lo, e os Estados Unidos aconselharam seus cidadãos a não viajar ao país africano a menos que seja essencial.

A Turquia diz ter recebido 3 mil pedidos de seus cidadãos na Líbia para serem resgatados de avião. O primeiro avião turco foi enviado a Benghazi, epicentro da revolta, no domingo.

Ansiedade nos mercados

Os mercados de commodities não estão preocupados só com a Líbia, mas também com a ameaça de crescentes tensões no Irã, o segundo maior produtor petrolífero da Opep (Organização de Países Exportadores de Petróleo).

Há ainda temores de que o maior produtor da Opep, a Arábia Saudita, sucumba à instabilidade, embora o regime saudita ainda não tenha enfrentado protestos.

Apesar dos eventos recentes no Oriente Médio, o fornecimento de petróleo ainda não foi interrompido. A Líbia produz 2% do petróleo extraído no mundo, embora seja responsável por 10% do mercado europeu. A Itália é sua maior compradora.

A atividade petrolífera é fundamental para a economia líbia, representando 95% de suas exportações e 25% de seu Produto Interno Bruto (PIB).

Bahrein

Outro país afetado por distúrbios no Oriente Médio, o Bahrein teve sua nota de crédito rebaixada nesta segunda-feira pela agência de classificação de risco Standard and Poor's (S&P).

A S&P reduziu em um nível a nota da dívida soberana do Bahrein, de "A-" para "A-2", e alertou que poderia baixá-la ainda mais, caso os protestos contra o governo bareinita se intensifiquem.

Na quinta-feira, a agência Fitch anunciou que poderia rebaixar as notas dos papéis de longo prazo do governo do Bahrein.

Leia ainda:

link Diplomatas líbios renunciam e aumentam pressão sobre Kadafi

linkPrédios do governo em Trípoli está em chamas

linkFilho de Kadafi adverte para risco de guerra civil

link Ao menos 230 já morreram em protestos, diz ONG

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.