Instabilidade política no Paraguai preocupa a OEA

Um alerta amarelo foi disparado do Paraguai, segundo a Organização dos Estados Americanos (OEA). Alvo de uma tentativa de golpe de Estado em 1998, o país vizinho estaria vivendo, de acordo com a entidade, um momento de instabilidade política, que poderia convertê-lo em uma Honduras sul-americana. Na semana passada, em Buenos Aires, organizações paraguaias reunidas nas Forças Democráticas Progressistas fizeram um apelo ao Mercosul - e em especial ao Brasil e à Argentina - pedindo colaboração na redução do risco de uma ruptura institucional no país.

AE, Agencia Estado

21 de dezembro de 2009 | 09h23

A preocupação foi registrada pelo secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, segundo informou ao jornal O Estado de S. Paulo um de seus assessores. No Itamaraty, ainda há dúvidas sobre se os discursos inflamados da oposição e do governo paraguaio representam um perigo real. Na dúvida, a diplomacia brasileira se mantém tão alerta como há 11 anos. "Ninguém acha, no Paraguai, que haverá um golpe. Mas todo mundo fala em golpe", resumiu um diplomata.

Até o momento, o presidente Fernando Lugo não pediu ajuda ao governo brasileiro. Mas agradece em público todo apoio que recebe do exterior. Com sua popularidade em queda (ela passou de 93% em agosto de 2008, quando tomou posse, para 25% em novembro), Lugo enfrenta a oposição da ala política dominada pelo general Lino Oviedo e do Partido Colorado (que conduziu a política paraguaia por seis décadas).

Minoria

A coalizão de conveniência que viabilizou sua eleição reunia siglas de esquerdas e o conservador Partido Liberal. Mas hoje é minoria no Congresso. Há meses, o governo não consegue aprovar no Senado seus embaixadores para o Brasil, a Argentina, o Uruguai, a Bolívia e a Venezuela, por exemplo. Tampouco deve conseguir barrar o corte de 20% no orçamento para programas sociais, proposto pelos colorados. Na terça-feira, o próprio Lugo denunciou que "setores que dominaram o poder durante décadas" estariam tramando um golpe. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ParaguaiOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.