Instituto da China assume culpa por acidente com trens

Um instituto de pesquisas ferroviárias chinês assumiu nesta quinta-feira a responsabilidade pela falha no equipamento de sinalização que levou a um acidente fatal no fim de semana e provocou revolta pública.

REUTERS

28 de julho de 2011 | 10h34

O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, visitou o local do acidente, perto da cidade de Wenzhou, na província de Zhejiang, e prometeu uma investigação ampla e transparente. Ele disse que uma doença o havia impedido de visitar o local mais cedo.

Um trem de alta velocidade bateu em outro trem parado no sábado, matando 39 pessoas. Logo após a colisão, a mídia local culpou a tecnologia estrangeira.

Autoridades ferroviárias disseram que um sinal, que deveria ter virado vermelho depois que um relâmpago atingiu o trem que parou, continuou verde e equipes da linha falharam em ver que algo estava errado, relatou a agência estatal Xinhua.

O Beijing National Railway Research & Design Institute of Signals and Communications, em um raro reconhecimento de responsabilidade por um desastre, emitiu um comunicado de desculpas, reconhecendo ter sido a fonte da falha fatal.

O instituto "levanta a cabeça para assumir a responsabilidade e aceitar qualquer punição devida, e irá estritamente se encarregar de buscar a culpabilidade dos responsáveis", afirmou o comunicado, segundo a Xinhua.

O premiê, que tem 68 anos e se aposentará no próximo ano, afirmou que não havia ido ao local antes por motivos de doença, sem dar detalhes.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAACIDENTECULPADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.