Instituto Mandela de Direitos Humanos denuncia Israel

As forças israelenses detiveram mais de 2.000 jovens palestinos durante os último dois anos e "muitos foram torturados", denunciou um informe sobre prisioneiros em cárceres israelenses realizado pelo Instituto Mandela para os Direitos Humanos.O texto foi apresentado em Gênova em uma reunião organizada pela Associação Beneficente de Solidariedade para com o Povo Palestino, da qual participou Gretta Duisenberg, mulher do presidente do Banco Central da Europa.Segundo Ibrahim Mahagne, um advogado que em nome do Instituto Mandela vista uma vez por semana os detidos, atualmente 300 adolescentes de menos de 15 anos estão na prisão de Telmon, localizada entre as cidades de Petah Tikva e Tel Aviv."Presos políticos são mantidos nas mesmas celas que os presos por infrações por droga ou criminalidade comum", afirmou o advogado. "Durante os interrogatórios nos primeiros centros de detenção, os detidos são submetidos a pressões. Se a confissão não é a desejada, os soldados ameaçam destruir suas casas ou expulsar suas famílias", continuou Mahagne.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.