Instrutor mata 22 'alunos-bomba' no Iraque

Professor detonou cinto por acidente durante demonstração em Bagdá

O Estado de S. Paulo,

10 de fevereiro de 2014 | 18h16

Um grupo de militantes sunitas que participava de um treinamento para homens-bomba num acampamento ao norte de Bagdá foi morto nesta segunda-feira, 10, quando o comandante fazia uma demonstração usando um cinto equipado com explosivos de verdade.

Os militantes pertenciam ao Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Isil), que luta contra o governo xiita iraquiano, principalmente na Província de Anbar - eles estão também ligados a atentados a bomba e combates em outras partes do país.

O acidente matou 22 integrantess do Isil - 15 ficaram feridos na explosão, ocorrida na zona rural da Província de Samara, nordeste do Iraque. O responsável pelo treinamento não pode ser identificado, mas era um recrutador experiente, segundo o Exército iraquiano.

No início do ano, militantes do Isil entraram nas cidades de Faluja e Ramadi, ambas na Província de Anbar, usando armamento pesado. Eles assumiram o controle dos principais cruzamentos e prédios do governo. Tribos e forças locais de segurança conseguiram recuperar o controle de Ramadi, mas, não de Faluja.

De acordo com, Brett McGurk, do Deprtamento de Estado dos EUA, o Isil conta com cerca de 2 mil combatentes no Iraque e teria o objetivo final de estabelecer uma base de operações em Bagdá, liderada por Abu Bakr al-Baghdadi, oficialmente classificado como um "terrorista global"./ NYT

 
Tudo o que sabemos sobre:
Iraquehomem-bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.