Insurgência promete aumentar ataques no Iraque

Ex-oficiais e soldados iraquianos que estão por trás da insurgência pretendem aumentar a intensidade dos ataques, disse um político sunita iraquiano nesta quinta-feira. O xeque Majeed al-Gaood, que mantém relações com ex-generais e oficiais do antigo regime de Saddam Hussein, e que compõem a espinha dorsal da insurgência sunita, disse que o recado foi dado por Izzat Ibrahim al-Douri, a autoridade de maior escalão do antigo regime que ainda está foragida. "O mujahid (guerreiro sagrado) Izzat pediu a eles que aumentem a intensidade dos ataques para obter a vitória, se Deus quiser, contra os ocupantes e os que os apóiam, os traidores", disse Gaood. Mas Gaood disse que os insurgentes estão dispostos a propor uma "trégua" aos Estados Unidos, reduzindo as operações contra soldados norte-americanos, desde que eles reprimam as milícias xiitas, que contam com o apoio do Irã. "A resistência está disposta a diminuir os ataques contra os americanos em troca de que eles acabem com o apoio logístico às milícias que estão por trás dos esquadrões da morte e da limpeza étnica", disse Gaood. Douri, cuja captura vale uma recompensa de 10 milhões de dólares, foi formalmente escolhido por líderes tribais e baathistas para substituir Saddam como "líder da insurgência" no dia em que o ex-presidente foi executado, 30 de dezembro de 2006, disse Gaood. Segundo Gaood, que lidera o partido sunita Wahj al-Iraq, a resposta da insurgência ao enforcamento de Saddam será a execução de ataques militares ainda mais letais, usando "mísseis de alcance maior e bombas mais potentes". "A execução de Saddam foi um golpe contra a dignidade árabe", disse ele. O presidente Jalal Talibani disse à Reuters acreditar que Douri esteja no Iêmen. "O governo ainda não discutiu pedir ao Iêmen que o entregue. Temos essa informação há algum tempo. Estamos acompanhando seus movimentos", disse o presidente iraquiano. O Iraque já anunciou uma operação para conter a violência sectária em Bagdá. A ação é encarada como a última oportunidade de evitar uma guerra civil entre xiitas e sunitas, que poderia colocar o Irã e os países árabes em posições antagônicas. Uma série de ataques esta semana vem sendo atribuída pelo governo xiita a seguidores de Saddam Hussein. De acordo com Gaood, a insurgência teme agora que o Irã aproveite uma eventual saída das tropas dos EUA para ocupar o Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.