Insurgência russa quer troca para libertar observadores

Oito integrantes de equipe internacional foram presos por separatistas no leste da Ucrânia e acusados de espionagem

Agência Estado

26 de abril de 2014 | 11h09

Um líder da insurgência russa no leste da Ucrânia disse neste sábado que os observadores internacionais detidos como suspeitos de espionagem só serão libertados em troca de ativistas pró-Rússia que estão presos. A equipe de observadores que está detida na cidade de Slovyansk, 150 quilômetros a oeste da Rússia, integra a organização para a Segurança e Cooperação da Europa (OSCE). No entanto, Vyacheslav Ponomarev, autoproclamado prefeito de Slovyansk, alega que eles são oficiais da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que estavam na região."Como encontramos com eles mapas contendo informações sobre a localização do nosso postos de controle, temos a impressão de que eles são agentes de uma determinada missão de espionagem", disse. A equipe de oito pessoas de diferentes nacionalidades, liderada pela Alemanha, estava viajando sob as ordens da OSCE quando foi detida. Na sexta-feira, o Ministério da Defesa alemão disse que havia perdido contato com o grupo.Tim Guldimann, enviado especial da OSCE para a Ucrânia, afirmou hoje à rádio pública alemã WDR que "todos os esforços estão sendo feitos para resolver esta questão".Em um comunicado divulgado no sábado, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que está tomando as medidas necessárias para a libertação dos observadores internacionais, mas culpou as autoridades em Kiev por não garantir a segurança da equipe.Enquanto isso, os Estados Unidos e os países aliados continuam estudando um novo pacote de sanções à Rússia, para punir o país por conta das operações militares na fronteira com a Ucrânia. Fonte: Dow Jones e Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
UCRÂNIATENSÃOOBSERVADORES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.