Insurgentes atacam prédio do governo e postos dos EUA no Iraque

Tropas dos Estados Unidos rechaçaram nesta segunda-feira um ataque coordenado de insurgentes árabes sunitas com carros-bomba, granadas propelidas por foguetes e armas automáticas contra o principal prédio público da cidade de Ramadi e dois postos de observação americanos. Não houve notícias de baixas entre os americanos no ataque que durou 90 minutos, o segundo em 10 dias contra prédios governamentais na província de Anbar, um bastião da insurgência sunita. Militares dos Estados Unidos não conseguiram determinar quantos insurgentes estiveram envolvidos na ação, nem quantos deles morreram. Mas o tenente Carlos Goetz disse que fuzileiros navais americanos (marines) mataram pelo menos três insurgentes que disparavam morteiro contra o prédio, conhecido como Centro Governamental, que abriga o escritório do governador de Anbar. Um tanque do Exército americano disparou seu canhão contra uma pequena mesquita de onde cerca de 15 insurgentes atiravam contra o centro, danificando um de seus minaretes, informou o capitão marine Andrew Del Gaudio. Em 8 de abril, insurgentes já haviam lançado um ataque contra o Centro Governamental, que terminou com aviões militares dos Estados Unidos bombardeando vários prédios usados por atiradores para disparar contra marines. Outros confrontos Também nesta segunda-feira, forças americanas e iraquianas enfrentaram um grupo de aproximadamente 50 insurgentes num tiroteio que se estendeu por horas no distrito bagdali de Azamiyah, informou o Exército. Cinco supostos rebeldes morreram e dois soldados iraquianos ficaram feridos, dizia um comunicado militar americano. Enquanto isso, foram encontrados 17 corpos de prováveis vítimas da violência sectária que toma o Iraque desde o ataque à bomba contra uma mesquita xiita em 22 de fevereiro, um na sulista Basra e os demais em Bagdá. Entre eles, numa área xiita na zona oeste da capital, estava o corpo de Taha al-Mutlaq, irmão do líder árabe sunita Saleh al-Mutlaq. Taha desapareceu no mês passado enquanto viajava de carro para a província de Salahuddin, ao norte de Bagdá. Pelo menos outras seis outras pessoas foram mortas segunda-feira em tiroteios e explosões de bomba, quatro em Bagdá, uma em Baquba e a outra em Kirkuk. Enquanto isto, continuava o impasse para a formação de um governo de unidade nacional no Iraque. Uma sessão do parlamento convocada para esta segunda-feira para discutir a questão foi adiada indefinidamente.

Agencia Estado,

17 Abril 2006 | 19h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.