Insurgentes queimam caminhões com suprimentos no Paquistão

Vigilante é morto em ataque contra terminal de veículos no Paquistão para as tropas no Afeganistão

Agências internacionais,

07 de dezembro de 2008 | 08h13

Um vigilante morreu e 106 veículos usados pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) foram incendiados neste domingo, 7, durante um ataque realizado por supostos militantes islâmicos contra um terminal de transporte no Paquistão, onde estavam os veículos que levariam suprimentos para as tropas da Otan e dos EUA no Afeganistão.   O ataque foi o mais audacioso até o momento contra suprimentos destinados aos soldados estrangeiros no Afeganistão. Segundo Kashif Alam, oficial da polícia paquistanesa, cerca de 30 homens atacaram o terminal no noroeste da cidade de Peshawar, com foguetes e metralhadoras, na manhã de domingo. Além dos caminhões, contêineres foram incendiados e um vigilante do terminal foi morto. Nas últimas semanas, uma série de ataques semelhantes têm suscitado a preocupação das autoridades de que militantes taleban tentam interromper as principais vias de suprimentos para as forças no Afeganistão.   Cerca de 75% dos suprimentos para as forças ocidentais em missão no Afeganistão devem passar pelo Paquistão, já que chegam pelo porto de Karachi, no mar da Arábia. O gerente do terminal, Kifayatulá Jan, afirmou que 106 veículos foram destruídos, entre eles 62 contêineres. Segundo ele, o local tinha somente veículos com suprimentos para o Afeganistão.   Uma série de ataques recentes contra caminhões e Peshawar e na fronteira afegã assinalou a vulnerabilidade da rota em crescente poder dos militantes ligados ao Taleban. Na semana passada, supostos rebeldes atacaram outro terminal nos arredores da cidade e queimaram 12 caminhões com suprimentos para a Otan. Dois vigilantes foram mortos a tiros.   Autoridades da OTAN e dos EUA disseram que as perdas na rota não estão afetando suas operações no Afeganistão. Além disso, a OTAN está procurando abrir rotas alternativas na Ásia Central.   A escalada da violência e a instabilidade no nordeste do Paquistão coincide com sérias tensões entre o país e a vizinha Índia, após os ataques terroristas do mês passado, em Mumbai. Nova Délhi atribui aqueles ataques, que mataram 171 pessoas, a um grupo militante islâmico que luta contra as leis indianas na região da Caxemira, elevando a tensão entre os dois países, o que pode afastar o Paquistão de seu papel como aliado dos EUA no combate ao terrorismo.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoEUAOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.