AP
AP

Insurgentes sírios ameaçam matar reféns iranianos

Bombardeio de forças do governos teria matado 3 dos 48 peregrinos do Irã sequestrados na Síria

estadão.com.br,

06 de agosto de 2012 | 21h34

DAMASCO - Rebeldes da Síria afirmaram nesta segunda-feira, 6, que três iranianos que eram mantidos reféns foram mortos em um ataque aéreo de forças do governo nos arredores de Damasco. As tropas dissidentes ameaçaram executar todos os outros iranianos que foram presos no sábado, caso o Exército não pare os ataques.

Veja também:

link 'Deserção de primeiro-ministro é indício que Assad perdeu o controle da Síria'

link Primeiro-ministro sírio abandona o país e segue para a Jordânia

"Eles morreram quando a artilharia atacou e uma das casas em que estavam caiu sobre suas cabeças", disse o porta-voz rebelde Moutassam al-Ahmad. "Mataremos todos os demais se o Exército não interromper os ataques."

Um grupo de 48 peregrinos iranianos foi sequestrado no sábado, a caminho do aeroporto de Damasco. Os responsáveis pela ação, da Brigada al-Bara bin Malek, que faz parte do Exército Sírio Livre (ESL), garantem que eles pertencem à Guarda Revolucionária iraniana e estão na Síria para lutar ao lado do Exército do presidente Bashar Assad.

Teerã negou que militares da Guarda da Revolucionária estivessem na Síria. O Irã, que tratou com grande reserva o caso, limitou-se a dizer que está em negociações com Síria, Turquia e Catar para conseguir a libertação dos sequestrados.

Desde dezembro, autoridades de Ancara já intermediaram a libertação de 27 dos 32 cidadãos iranianos capturados na Síria. O Irã reagiu com irritação à informação de que havia militares entre os 48 peregrinos e qualificou de "irresponsáveis" os meios de comunicação árabes que a divulgaram notícia. No domingo, um vídeo da emissora de TV Al-Arabiya mostrou imagens dos capturados.

Com Reuters 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.